User:Goncalo Correia/Notebook/BIOMOL/2010/03/09

From OpenWetWare
Jump to: navigation, search
Owwnotebook icon.png Project name Report.pngMain project page
Resultset previous.pngPrevious entry      Next entryResultset next.png

TP2

  • Que diferenças encontra e qual a sua origem?

A sequência do DNA é maior: além dos exões visíveis na sequência de mRNA (já processado), estão também lá os intrões e partes não codificantes. A sequência de RNA tem uma poly-A tail.

  • Onde se inicia a transcrição e porquê?

O alinhamento das duas sequências diz-nos que a transcrição inicia-se no nucléotido nº 546.

  • Experimente traduzir ambas as sequências (tradução online). O que sucede e que implicações tem para o processo de expressão génica?

A tradução só faz sentido a partir da sequência de RNA processada (splicing). O DNA genómico não codifica directamente a proteína.

  • Se estivesse a comparar a sequência de um gene de E. coli e seu transcrito, que diferenças esperaria encontrar? E se fosse de S. cerevisiae (levedura)?

Como os procariotas não usam splicing, o tamanho das duas sequências (DNA e mRNA) seria similar, e provavelmente a parte não codificante da sequência seria menor. No caso da levedura, a regulação seria mais similar (parte não codificante maior que a da bactéria), mas o tamanho seria também mais similar, porque apesar de existir splicing, é muito raro e arcaico.

  • As bactérias e leveduras podem ser crescidas facilmente em grandes quantidades, o que permite a utilização destes organismos como "fábricas" de produção de proteínas. Se pretender utilizar estes organismos para produzir uma proteína humana, que aspectos terá de ter em consideração?

Tendo em consideração que nestes organismos o splicing não existe, ou é raro, a sequência a introduzir teria de codificar logo o mRNA final, e deveria estar "acoplada" a mecanismos de regulação adequados.